Buscar
  • Alberto Heller

Frankenstein: uma obra amoral?


Nas diversas adaptações de Frankenstein (especialmente para o cinema) vê-se

frequentemente roteiristas e diretores tomando partido no duelo entre criador e

criatura, ora transformando a Criatura em vilão (e consequentemente o Dr.

Frankenstein em vítima), ora o contrário (o médico como o algoz e a Criatura

como vítima). Afinal: qual dos dois representa o bem, qual representa o mal? Em

seu livro, Mary Shelley tem a coragem de não optar: ambos – criador e criatura –

buscam (e perdem), ambos sofrem, ambos erram, ambos caem. Muitas são as

razões que os levam a fazer o que fazem (razões humanas, demasiadamente

humanas), a maioria delas bastante compreensível. Mas em dado momento,

limites são transpostos, inocências são perdidas (a queda inevitável do paraíso –

tema forte no livro, presente em várias citações da obra máxima de Milton,

“Paraíso Perdido”). A mesma ousadia criativa e ambição que levam Victor a

vencer a morte tornam-se sua cruz; mas em momento algum do livro Mary

Shelley transforma isso em “lição de moral”, do tipo “vejam o que acontece

quando não impomos limites à nossa ambição”. O livro se coloca ousadamente

para além (ou aquém) da moral: não há bons e maus nesta história, não há

mocinhos nem bandidos; no lugar do branco e preto, um cinza nebuloso de ações

e consequências que vão tomando dimensões trágicas.


Por isso, em dado momento do libreto faço o Capitão Robert Walton perguntar a

Victor Frankenstein: “Há alguma moral nessa sua história?”, e Victor responde

“Não, não há nenhuma moral aqui, apenas o passar do tempo: futuro virando

passado, vida virando morte, sonhos virando pó”.


Na ópera-rock FRANKENSTEIN, que estreia em Florianópolis nos dias 26, 27, 28

e 29 de junho, a Criatura será interpretada por Alírio Netto, e o Dr. Victor

Frankenstein por Rodrigo “Gnomo” Matos. A obra, em dois atos, é para solistas,

coros masculino, banda e orquestra sinfônica, e terá duas horas de duração.


Alberto Heller

15 visualizações

Informações: 48 3233 2324 | producaofrankenstein@gmail.com

© Ópera Frankenstein | arte gráfica Celso Silva da Silva | projeto gráfico do site Mariana Barardi | 2018